Pesquisar este blog

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Do frio de New York para o calor de Bafo Alegre

Guga Stefanello, jornalista e bon vivant retornou ontem de New York City. Lábios cortados e ressecados  pelo maior frio na história da Big Apple, desceu em Porto Alegre em um calor recordista de 40 graus, ou mais. Passou trabalho nas férias, me conta o Guga, já suado em seu elegante terno Armani. Mas tomou um banho de vitrines elegantes, lugares chiques e gente bonita. Trouxe uma sacola repleta de grifes, adquiridas em um mega outlet novaiorquino. Ora, descontão em inglês é outra coisa.

Falou que todos os canais de tevê já são high definition por lá. E o custo não é essa barbaridade que as versões brasucas de tv por assinatura tentam nos empurrar. Viu Ford Fusion custando menos de US$ 19 mil! Carro zero! E o cliente a comprar dando US$ 3 mil de entrada e prestações de US$ 250! Isso sim que é capitalismo, bem longe dessa coisa que temos aqui, ora devorada por impostos em demasia, ora por uma mesquinharia comercial que explora o bom senso e nos deixa com ar de bobos com relatos de gente que volta certo de que um capitalismo melhor é possível, sim senhor!

Com ou sem crise!

Um comentário:

Gilberto disse...

Irmão Ari! Não sei de quem tenho mais pena: se do Guga, que convalece de um choque cultural incurável, ou de nós, pobres mortais tupiniquins que nos acostumamos a conviver com o interminável apetite tributário do governo, independentemente de partido de plantão na guarita do poder. A classe média cumpre o eterno papel de marisco, mas também é preciso admitir que ficamos acomodados, na praia (no verão) ou no sítio (o resto do ano),e jamais organizados marchas, passeatas e greves. Xingamos, vociferamos e dormimos furiosos, mas não passa disto... Todos à rua! Classe média unida, jamais será vencida! E cuide bem do Guga!
Gilberto Jasper
Porto Alegre